7
Vertigo: Além do Limiar


Hal Foster



País de nascimento: Canadá
16 de agosto de 1892
25 de julho de 1982

Lista de revistas com trabalhos de Hal Foster
Veja lista detalhada dos trabalhos


Harold R. Foster nasceu em Halifax, Nova Escócia. Em 1921, já com 29 anos, começou a estudar em Chicago no Instituto de Arte e na Academia de Desenho daquela cidade. Findos os seus estudos, começou de imediato a trabalhar como ilustrador publicitário.

Em 1928, um publicitário que tinha comprado os direitos de “Tarzan” para as tiras de jornais, Joseph H. Neebe, convidou o artista Allen St. John (que ilustrava os livros do conhecido herói) para desenhar a historieta. St. John recusou o convite e o trabalho acabou caindo nas mãos de Foster. No entanto, Neebe não conseguiu levar o projeto adiante e teve que recorrer ao Metropolitan Newspaper Service para distribuir a tira a alguns jornais. Essa primeira série de 60 tiras diárias estreou em 7 de janeiro e foi até 16 de março de 1929. Anos depois, Foster confessou que não tinha “Tarzan” nem as histórias em quadrinhos em grande consideração. Aceitara o trabalho porque ele significava um salário estável numa época de economina nada estável.

Em 1930 o Metropolitan foi vendido para um grande distribuidor, o United Feature. O novo “syndicate” acrescentou, em 15 de março de 1931, uma página dominical (em cores) de “Tarzan”. A princípio, Rex Maxon ficou como desenhista dessas dominicais. Mas Maxon, acostumado com o formato das tiras em preto e branco, não foi muito feliz nessa nova empreitada. Por isso, Foster foi chamado para substituí-lo, a partir de 27 de setembro de 1931. Maxon, por sua vez, ficou encarregado das tiras em preto e branco de “Tarzan”.

Apesar de ter realizado uma obra notável com “Tarzan”, Foster não gostava do personagem. Considerava-o por demais fantástico. Implicava com o fato de Tarzan, um homem, movimentar-se pelas árvores com a mesma agilidade de um macaco. E não se sentia muito à vontade desenhando o cenário africano. Ainda assim, seu trabalho incomparável chamou a atenção de William Randolph Hearst, dono do King Features Syndicate. Oferecendo mais dinheiro e a chance de produzir uma página de sua própria autoria, Hearst tirou Foster dos cenários africanos para criar, em 1937, aquela que viria a ser considerada uma das maiores histórias em quadrinhos de todas: "Príncipe Valente".

Desde então, Foster dedicaria toda a sua vida ao seu novo personagem, trabalhando incansavelmente semana após semana na concepção da saga do herói. O sucesso de "Príncipe Valente" não passou desapercebida da concorrência. Entre os imitadores estava "O Pirata Negro", de Sheldon Moldoff.

Em 1970, com idade avançada e sofrendo de artrite, Foster começou a planejar a aposentadoria. Ele testou vários artistas para substituí-lo na trabalhosa tarefa na criação das pranchas de "Príncipe Valente" (que Foster levava 65 horas por semana para serem concluídas), antes de escolher John Cullen Murphy em 1971, passando apenas a supervisionar os trabalhos deste.

As composições de massas de Foster são, realmente, majestosas, e ele representa a tradição clássica nas histórias em quadrinhos. Grande conhecedor da época da Távola Redonda, Foster raramente erra, em matéria de cenários e vestimentas, nos quais seu desenho, às vezes, desce a minúcias. Entretanto, seu rítimo é, quase sempre, lento, com poucas exceções (algumas cenas de batalhas), o que faz suas histórias parecerem ínsipidas a alguns.

Hal Foster morreu em Spring Hill, Florida, aos 89 anos.


Notas e fontes —
http://www.operagraphica.com.br;
http://www.erbzine.com/mag8/0827.html
"Clássicos HQ", EBAL, novembro de 1969.



Relate algum problema encontrado nesse artista