Vertigo: Além do Limiar


Álvaro de Moya



País de nascimento: Brasil
1930
14 de agosto de 2017

Lista de revistas com trabalhos de Álvaro de Moya
Veja lista detalhada dos trabalhos


A paixão de Álvaro de Moya pelas HQs desde a infância transformou-se numa carreira dedicada à pesquisa desse meio de comunicação. Mas antes de se tornar um pesquisador de quadrinhos, Moya também se dedicou à prancheta. Ainda adolescente descobriu que tinha talento para o desenho e se tornou assistente de um desenhista relativamente conhecido na época chamado João Gitahy, que descobriu ser seu vizinho. Em 1947 Moya conheceu o escritor Syllas Roberg, que jogava futebol com Gitahy, um pouco mais velho do que ele, e ambos ficaram muito amigos. Roberg também gostava muito de histórias em quadrinhos e um belo dia, ele e Moya resolveram produzir uma página de uma história de faroeste e convenceram Gitahy a ajudar. Era o primeiro capítulo de uma série e eles resolveram apresentá-la na Gazetinha, sem sucesso. Mas foi naquele dia, na redação da Gazetinha, que eles conheceram Jayme Cortez e ficaram os três amigos.

A história de como Moya começou sua colaboração com a La Selva é um pouco obscura em alguns detalhes. Segundo o próprio, em junho de 1950, ele viu nas bancas um número da revista O Terror Negro. Moya achou que a capa era ruim, que não tinha nada a ver com quadrinhos. Então ele pensou que poderia vender os desenhos de Cortez para aquela editora. Fez com que Jaime reunisse alguns de seus trabalhos e o levou, acompanhado de Roberg, à sede da editora. Lá encontraram o editor, Reinaldo de Oliveira, um jovem como eles, que estava na editora há alguns meses editando alguns de seus títulos. Tanto Reinaldo quanto os La Selva teriam gostado muito dos desenhos que viram e logo Jaime Cortez estava fazendo todas as capas de O Terror Negro e de todas as outras revistas da La Selva. Moya conta a história mais ou menos assim, mas existem algumas discrepâncias quanto às datas e talvez ele esteja sendo parcialmente traído pela memória. Segundo Oliveira em seu livro “La Selva - Pequena História de uma Editora Popular”, o primeiro colaborador da editora La Selva foi o desenhista João Batista Queiroz, seguido por Gedeone Malagola e só depois é que apareceram Moya, Roberg, Cortez e Miguel Penteado.

Mais tarde, Moya fez capas para as primeiras edições do “O Pato Donald” da editora Abril nos anos 50. Moya na ocasião recebera treinamento de Luís Destuet, o argentino que a Abril “importou” temporariamente da editora portenha de Cesar Civita para orientar alguns colaboradores na produção de capas para “O Pato Donald”. (ver “O Homem Abril”, de Gonçalo Junior, pág. 117)

Em 1951, participou da organização da primeira exposição de quadrinhos feita no planeta, aqui no Brasil, fato que se encontra registrado em detalhes no livro "Anos 50: ­50 anos" (editora Opera Graphica).

Em 1958 foi para os EUA trabalhar com TV. Pouco tempo depois, de volta ao Brasil, dirigiu a TV Excelsior (1960) e inaugurou a TV Bandeirantes (1967).

Chefe das delegações brasileiras nos congressos de comics na Itália desde 1966. É autor de "Shazam!", pioneiro livro sobre quadrinhos feito no Brasil.

Faleceu aos 87 anos ao sofrer um AVC e permanecer internado por uma semana.


Álvaro de Moya


Relate algum problema encontrado nesse artista